Campeonato do Mundo Piedrahita 2011
#1
A primeira manga já está online:

http://www.livetrack24.com/tasks/253

Responder
#2
..ha a questao do espaço aereo que pode pregar algumas partidas.. :triste:
Responder
#3
:-[ :-[ :-[ :-[ :-[

Claudio e Pedro penalizados em 100% dos pontos.

Apenas o Paulo Silva ficou classificado

>Sad
Responder
#4
ui
1º dia e ja a dar este estrilho todo...

vai dar protestos para a semana toda!
para que existem as balizas entao? nao seria facil meter uns turnpoints pra puxar a malta pra fora do espaço aereo??

eh mm a´ espanhola..
Responder
#5

Pois...! má cena!?!? >Sad

Agora pergunto: será que a nossa equipa técnica terá feito trabalhos de casa???!, será que trabalhou neste sentido com os pilotos?... pois
Responder
#6
Já há manga

zig zag nas cristas perto da descolagem e golo em Avila. 77km
start ás 14 locais (13nossas)

bora lá tugas, pé na chapa! ;D
Responder
#7
Uiiiii... mais uma corrida a 100 À hora!...
Maltinha tuguista bora lá assapar e
Responder
#8
Já descolaram. Faltam 30 min para o start
Responder
#9
No google, Tugas no chão
Responder
#10
mano Cláudio:

"dia de muito engonhanço, muita paciencia e tecto super baixo.. f*ck it"
isto não tá a começar lá muito bem aos nossos..

bora lá a puxar pelo astral da malta
Responder
#11

Força ai rapaziada, isto um dia vai !!! que os tugas enfurecidos vão mostrar como se faz
Responder
#12
Noticias tristes infelizmente!!!

É nestas alturas que me lembro o que diz um dos meus mentores, "Asas para competir? Só homologadas".

Mário Arquê, dos pilotos mais experientes do mundo defende o mesmo, e escreve desde à uns tempos para cá na sua revista "Parapente Vuelo Livre", que foi formada uma comissão dirigida por Martin Scheel para aferir se as competições de futuro serão apenas com asas homologadas. Apesar de não estar dentro do assunto, parece-me pelo que vou lendo, que alguns dos fabricantes consideram que isso é um entrave ao desenvolvimento da modalidade e que de futuro, os pilotos em asas de competição, terão que provar por video, pelo menos 60 dias antes das provas, que sabem reagir a incidentes adversos das suas asas. Isso levanta uma questão principal. Por exemplo, a reacção a um assimétrico forte apresentada nesse video e que corre bem,teve por trás quantos assimétricos mal recuperados e sabe-se lá quantos reservas lançados?

Parece-me pelo que vou vendo que quem tem razão é a malta que além de gostar de voar seguro, gosta de ver toda a gente inteira no fim dos campeonatos, como o Mário Arquê e o Hannes Papesh, que não entram nestas frescuras de asas malucas.

O voador de competição quer chegar sempre mais à frente, e para isso tem tendência de ter uma asa à altura do vizinho, mas se calhar não tens as mãos do vizinho. Se calhar o que há mais para aí são competidores que não têm experiência nem mãos para as asas que voam, mas apercebem-se disso da pior maneira.

Enquanto o organismo mundial que tutela o parapente não decidir que as competições apenas se farão com asas homologadas, continuarão a morrer pessoas em campeonatos do Mundo e noutros lugares. Não quer dizer que com asas 2-3 também não possa acontecer, mas há mais folga.

As asas 2-3 também podem ser desenvolvidas de modo a terem performances brutais, mas sempre dentro daquela gama.

http://www.perfils.info/?page_id=449



Renato
Responder
#13
(07-Jul-2011, 05:55)sempre_a_fundo link Escreveu: Noticias tristes infelizmente!!!

É nestas alturas que me lembro o que diz um dos meus mentores, \"Asas para competir? Só homologadas\".

Oi Renato,

só para pôr algum pessoal não informado mais ao corrente, podem ler neste artigo da XC Mag um resumo e a carta aberta integral de um piloto Britânico que se "recusou" a participar em Mundiais devido à questão das asas da class open: http://www.xcmag.com/2011/05/open-warfar...t-resigns/

A ideia subjacente é que as asas são pouco (ou nada) testadas, e os pilotos de teste são os próprios pilotos que voam com elas em situações extremas como são competições (condições meteo maradas, acelerador a fundo em condições meteo maradas, etc., etc., etc.).. Quem tiver interesse em formar uma opinião informada, aconselho a ler o artigo que coloco acima (também este: http://biggovtsucks.blogspot.com/2011/05...sited.html), e procurar mais informação, nomeadamente no fórum "paraglidingforum" (tópico http://www.paraglidingforum.com/viewtopic.php?t=40016 e http://www.paraglidingforum.com/viewtopic.php?t=35856, por exemplo)..


João Ventura
Responder
#14
Pois é pessoal, parece que na competição vale tudo, incluindo morrer. Eu lembro-me bem de uma conversa com o Sam no regresso de Espanha em que ele falava da recusa em voar por parte do tal piloto Britânico, e da possibilidade bem real de morrer alguém. Não se enganou, infelizmente. Justifica-se morrer por causa de uma competição? Pra quê, para ter 5 segundos de fama dentro do grupo do parapente?!

Haja juízo.

Abraços, e bons voos, sempre em segurança.

SC
Responder
#15
Viva,

realmente sao noticias muito tristes....Pode ser que com esta tragédia se mude alguma coisa, pelo menos tenho visto vontade dos pilotos em que isso aconteça. Tal como o renato diz....voar serial não implica que não haja acidentes, mas pelo menos não temos pilotos a dizer que, "em caso de um grande frontal, nao me vejo a recuperar a asa!"

Campeões do mundo serão sempre campeões, mesmo em asas serial....As vezes fico com
Responder


Saltar Fórum:


Utilizadores a ver este tópico: 1 Visitante(s)